Arquivo de 23 de Junho, 2011

23
Jun
11

As tormentas que se anunciam

Pedro Passos Coelho tomou hoje posse como primeiro-ministro do XIX Governo Constitucional, propondo ao país “um novo pacto de confiança”. No discurso preparado para a cerimónia do Palácio da Ajuda, antecipou “mais tormentas”.
Para responder à “estagnação económica” de Portugal, Pedro Passos Coelho anunciou a implementação, a breve trecho, de “um Programa para o Crescimento, a Competitividade e o Emprego, que ataca os bloqueios à produtividade e à iniciativa empresarial e que aposta nos setores dos bens transacionáveis”. Por outro lado, haverá medidas de “desvalorização fiscal” para consubstanciar “uma aposta decisiva na reaquisição de competitividade externa”, uma vez que “é urgente reduzir os custos de contexto” e “acentuar a intensidade concorrencial”.  Haverá também um “Programa Nacional de Poupança” com “o intuito de elevar a taxa de poupança par reduzir o endividamento das famílias e das empresas”. O Programa incluirá, segundo Passos Coelho, “um esforço de atração das poupanças dos portugueses que vivem no estrangeiro, travando assim a dependência extrema e insustentável da económica nacional relativamente ao financiamento externo”.

Isto foram coisas que ele disse, o que eu ouvi foram mais sacrifícios. A estratégia parece passar por reduzir o custo com o trabalho aos patrões, aumentar mais os impostos para quem trabalha. Para resolver o problema da nossa dependência externa aposta-se no dinheiro dos emigrantes. Mais do mesmo que só pode vir a dar mais do mesmo, sobretudo agora que com uma emigração mais qualificada, mais disposta a instalarem-se de vez lá fora e sem a mesma disponibilidade de enviar dinheiro para casa. O barco já mete água por todos os lados, vêm ai mais tormentas e este timoneiro com esta navegação só nos pode conduzir ao naufrágio certo.

23
Jun
11

Triste Nobre

Para acabar de vez com o Assunto do Nobre escolhi utilizar o “Dom Quixote”, uma personagem que normalmente associo nos meus bonecos ao Manuel Alegre, mas que desta vez me pareceu a mais apropriada. Nobre, só de nome, derrotado na sua “cruzada” contra os políticos  por ter representado exatamente aquilo que os políticos têm de pior.  Deu má fama à cidadania e desiludiu muita gente que acreditou que estava ali alguém diferente e para melhor. Nem com o Passos Coelho a fazer o papel de Sancho Pança deixou de fazer figura de um “triste coitado”. Só uma capacidade lhe consigo ainda reconhecer, a de ser capaz de destruir uma imagem de honestidade, trabalho e capacidade em seis meses. Até o Sócrates demorou mais tempo a fazê-lo.



Indignados Lisboa

Blog Stats

  • 716.690 hits


%d bloggers like this: