19
Jul
11

Fenomenologia do ser Passos Coelho

Numa entrevista a uma revista francesa Passos Coelho tentou vender a imagem de um grande gestor de enorme cultura, tão culto, tão filosofo que até leu Kafka muito depois da ‘Fenomenologia do Ser”, de Sartre. E Voltaire mais cedo do que Eça”. Só que, se há coisa em que não se deve fazer é querer mostrar cultura que não se tem. Rapidamente foge o pé e cai-se no ridículo. Mas, honra que seja feita que conseguiu ler um livro do Sartre que este nunca escreveu. O Pacheco Pereira já o desancou escrevendo que Não existe nenhuma ‘Fenomenologia do Ser’ de Sartre. Passos Coelho, em mais uma entrevista do nada, resolveu atribuir-se uma biografia do nada”. “Fenomenologias só conheço as de Hegel e de Husserl”. “A mania para mostrar cultura dá como resultado o ‘Concerto para Violino’ de Chopin e as mesas de cabeceira cheias de Eça”. “Esta mania de querer parecer culto traduz um problema de carácter”. Passos “é um produto de marketing, como Sócrates”, concluiu. 
Os defeitos estão lá todos só que menos inteligente que o seu antecessor, digo eu.

0 Responses to “Fenomenologia do ser Passos Coelho”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


Indignados Lisboa

Blog Stats

  • 714.194 hits


%d bloggers like this: