Arquivo de Dezembro, 2011

31
Dez
11

2011 deu o que tinha para dar. 2012 vem já aí

Está-lhe a acabar o tempo
31
Dez
11

Oh Silva. Demite-te pá.

Cavaco Silva deixou passar os oito dias de que dispunha para enviar o Orçamento do Estado ao Tribunal Constitucional. As polémicas propostas de cortes salariais à Função Pública e pensionistas, que o Presidente tinha criticado, por violarem princípios constitucionais básicos, deverão avançar com a sua bênção.

Se há personagem que mais repulsa me causa na politica portuguesa é este Sr.Silva, medroso, hipócrita, fingido, culpado e também culpado de muito do mal que aconteceu a este país. Nem consegue sequer ser coerente no que diz, nem executar a mais importante função como Chefe de Estado, o defender o cumprimento da Constituição. Afirmar ele próprio  da existência de inconstitucionalidades básicas no Orçamento e depois não o enviar para o Tribunal Constitucional é inaceitavel. Podem apresentar-se todos os argumentos, da crise, do Euro, da Troika, da Merkel, da merda que quiserem, que nada poderá justificar o não cumprimento da lei fundamental do país. Aí os direitos não podem ser apelidados de regalias, como têm feito nos direitos laborais e sociais sempre que querem acabar com mais um.
Ao permitir que sejam violados direitos básicos do cidadão consagrados na Constituição, o Presidente da Republica está a quebrar o juramento feito na tomada de posse, perdendo por isso toda a legitimidade para ocupar esse cargo. Demita-se

30
Dez
11

O ano velho e o novo que vão fiando

O ano velho está a acabar sem deixar grandes saudades e o novo que aí vem já padece dos mesmos males mas agravados pelas politicas de empobrecimento que este Gaspar insiste em impor. Do velho sobra o acordar de muita gente para a necessidade de intervirem na vida deles e dos outros e  para o novo que decisões posso eu tomar?
A primeira é evidente e obrigatória; a de continuar a lutar contra este governo e estas politicas, defendendo a liberdade e a necessidade de uma nova democracia. Depois há o deixar de fumar, (uma vez mais), o libertar-me mais do comodismo, passar mais tempo útil com a família, voltar a pintar, fazer uma horta e também continuar a partilhar com os outros, mais ou menos jovens, a aprendizagem, minha e deles,  desta nova forma de  estar em sociedade e tomada de decisões.
Não é muito, mas já não era mau.

30
Dez
11

A morte do Sistema Nacional de saúde

Em Setembro, o tempo médio de espera por um exame era de 105,7 dias, mais de três meses, quando em Agosto não passava de 96,4 dias. “Há situações variáveis, depende não só das solicitações como da capacidade de resposta das unidades, mas a proibição de os hospitais recorrerem às unidades com convenção com o SNS veio piorar os tempos de espera. E é provável que ainda subam mais”.»
«”Um doente que esteja em estudo pela primeira vez, e para o qual ainda não haja diagnóstico, não pode esperar três meses para fazer um exame. No máximo um mês, e mesmo assim é variável”, afirmou José Manuel Silva, o bastonário da Ordem dos Médicos. “E se se descobre que o doente tem um cancro?”, questiona, em forma de alerta.

Se tem um cancro a culpa deve ser do doente porque resolveu adoecer de ser produtivo. Acredito que haja quem considere mesmo que só adoeceu para não ter de trabalhar e viver à custa da Assistência social.
É o respeito pela própria vida que estas politicas e estes ataques ao SNS perpetrados por este Ministro e este governo colocam em causa. Quem não se lembra de ver os mesmos senhores a reclamarem das listas de espera para consultas e cirurgias defendendo o recurso ao privado se o serviço público não conseguisse atender os beneficiários em tempo útil. Hoje, que é na sua mesa que caiem as contas para pagar fazem exactamente o contrario daquilo que defendias. Até os Bombeiros já começam a recusar-se a fazer o transporte de doentes não urgentes por considerarem insuficiente o pagamento feito pelo serviço. É o próprio serviço e a saúde dos cidadãos que é colocado em causa. Aumentam as taxas moderadoras para mais do dobro e cortam na qualidade dos serviços e a Troika ainda vem exigir que se corte mais metade do orçamento destinado à saúde. Este é o caminho que vemos seguir se nada fizermos. Indignemo-nos.

29
Dez
11

Só estes é que não emigram…de vez

Passos Coelho recentemente mandou os professores desempregados emigrar como forma de resolver o problema do desemprego. É grave, pois como disse é aceitar mandar embora os nossos quadros mais qualificados. professores e licenciados, aceitando que Portugal fique um país de mão de obra barata e desqualificada.  Mais fantástico ainda tem sido a torrente de comentadores nas televisões e jornais a procurar justificar as suas afirmações com o argumento de que se não há trabalho cá é normal que um Primeiro-Ministro os mande embora.
E o futuro, o amanhã não conta?
Que este governo tem a comunicação social controlada e que não haja quem tenha coragem para o criticar já é mau, que ainda tenham de fazer o frete de vir defender a miséria como proposta para este país já me parece demais. Tenham vergonha na cara.
29
Dez
11

Um manual de pirataria

O plano de resgate financeiro da Madeira, que envolve um empréstimo cujo valor Alberto João Jardim não quis revelar, implica a transferência da gestão da dívida pública da Madeira para o Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público, proibindo a região de mais endividamento. Todos os impostos pagar pelos contribuintes madeirenses passam a ser equiparados aos aprovados a nível nacional, de que resulta um agravamento médio de 25%. “É o acordo possível, mas sem este acordo seria pior porque estava em causa a sustentabilidade da dívida pública”, afirmou.

Os Madeirenses têm culpa de estarem onde estão porque elegerem repetidamente o Bicho da Madeira, mas quem são os verdadeiros responsáveis por aquilo que foi feito. Quem gastou fortunas em propaganda, festas, inaugurações, quem controlou a comunicação social, quem usou os dinheiros públicos a garantir vitórias eleitorais, quem impôs um “défice democrático” na Região, quem fez negócios chorudos, quem foi beneficiado, quem enriqueceu rapidamente, quem, quem, quem. A coisa está fresca, é possível apontar os culpados, politica, administrativamente e até criminalmente se houvesse vontade para isso. É possível porque eles estão lá e tem nomes e caras, mas lá como cá, uns servem-se e empanturram-se com aquilo que é de todos, mas na hora de pagar é aos cidadãos que entregam a conta ainda os acusando de viverem acima das suas possibilidades. Estas dividas não são nossas, são daqueles que geriram mal os dinheiros públicos e dele se serviram. Eles que a paguem.

28
Dez
11

Histórias do Zé Povinho


O Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB) da Universidade Nova de Lisboa está, como quase todos os centros de investigação, sem dinheiro. Os cortes cegos do ministro Crato, que tanta gente parece elogiar, foi a gota de água num copo cheio de problemas antigos e começa a fazer-se sentir no mais básico dos básicos. Resultado: o sofisticado sistema de refrigeração do edifício do ITQB, fundamental para o funcionamento das máquinas ali utilizadas, não podia ser renovado depois de uma avaria dos chillers. Se nada se fizesse perder-se-iam centenas de milhares de euros em equipamento e o trabalho científico ficaria paralisado.
Para resolver o problema o director da instituição fez um apelo pouco usual aos trabalhadores: que os funcionários doassem dinheiro, tendo mesmo sugerido, talvez meio a brincar, que prescindissem da metade que restava seu subsidio de Natal e o entregassem para pagar uma despesa de manutenção que cabe ao Estado. É também para este trabalho, fundamental para o nosso desenvolvimento, e não para o BPN e para cobrir benefícios fiscais à banca, que pagamos impostos. Apesar de não serem obrigados a faze-lo, 342 doadores (na sua maioria trabalhadores, colaboradores e bolseiros) entregaram 69 mil euros ao ITQB. As funcionárias responsáveis pela lavagem de material e equipamento, que não tinham folga para isso, fizeram rifas e conseguiram mil euros.  (Daniel Oliveira7Expresso)




%d bloggers like this: