23
Nov
12

A relatividade do tempo

 

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, admitiu hoje que há “situações pontuais” em que ocorrem atrasos nos pagamentos de prestações sociais, casos dos subsídios de desemprego, de doença ou de parentalidade.

Ainda outro dia aqui referi que o tempo é relativo e o que representa para uns não é o mesmo que para outros. Se alguém se atrasa um minuto a pagar um imposto já está a receber cartas do fisco e a pagar juros, mas quando é o Estado que se atrasa não há problema. Basta ver que neste caso o atraso não cria problemas a ninguém, afinal um desempregado não necessita de comer se não trabalha, um doente está de cama e pode dormir todo o dia e isso da parentalidade só é culpa da luxuria do beneficiário. Primeiro cortaram benefícios, depois reduziram o seu valor e está a chega a hora de deixar de os pagar de todo. Há anos que esta cambada anda a descapitalizar a segurança social, a jogar, e a perder, o dinheiro que todos nós descontamos dos nossos salários na roleta da bolsa, para a tornar inviável. Os grandes grupos privados da banca, seguros e saúde, há anos que se babam por este grande negócio. Estes estão lá para lhes encher o bucho e matar de vez com o Estado social.

Anúncios

0 Responses to “A relatividade do tempo”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Indignados Lisboa
Novembro 2012
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Blog Stats

  • 694,924 hits


%d bloggers like this: