Archive for the 'desemprego' Category



01
Maio
13

O baile dos aldrabões

vitor gaspar alvaro santos pereira a danca dos aldraboes

Ontem enquanto numa sala do parlamento o Álvaro dizia que agora é que é, que  a economia vai arrancar a todo o vapor, que se vão criar empregos e tudo vai melhorar na sala ao lado o Vitor Gaspar informava que afinal não são 4 mil milhões mas sim 6 que vão cortar até 2016. A bota não bate com a perdigota e enquanto um avisa o outro faz o discurso que muitos desejam ouvir. Os dois mentem, um porque promete o que sabe não ir acontecer e o outro porque sabe que as suas previsões vão falhar como falharam todas as anteriores. Ambos pertencem a um  governo de gatunos vendidos aos mercados, ambos trabalham para os mesmos donos e ambos um dia deixarão o governo com as suas vidas resolvidas e Outros ocuparão os seus cargos e continuarão o seu trabalho sujo num país entregue nas mãos de especuladores gananciosos.

30
Abr
13

Conselho extraordinário de Piratas

vitor gaspar paulo portas passos coelho alvaro santos pereira piratas

Hoje houve um Conselho de Ministros, ou melhor de saqueadores para aprovarem o Plano Estratégico Nacional para a roubalheira pública, 2013-2017. Quando estou a escrever isto ainda não se conhecem as medidas, mas vão ser mais quatro mil milhões de euros que vão sair dos bolsos do portugueses. Não de todos, que continuará a haver aqueles que vão continuar a passar ao lado das dificuldades. Alguns bons  exemplos tirados das noticias do dia. Os accionistas da REN votam política que pode duplicar remuneração dos gestores. A Galp no primeiro trimestre aumentou os lucros em 51% embora tenha vendido menos gasolina. A Sonae do Belmiro aumentou os lucros em 8%. Só os salários, o nível de vida da grande maioria dos portugueses, o emprego e os direitos sociais e do trabalho é que diminuem e pagam uma divida que não contraíram e que é da responsabilidade dos tais que não sofrem com a austeridade. Esta é a justiça social que apregoam, a repartição das dificuldades de que falam. O raio que os parta se não lhes partirmos nós as trombas primeiro.

19
Abr
13

As duas faces da hipocrisia

christine lagarde as duas caras do FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende a adopção de políticas de crescimento que promovam o emprego nos países sob programa de resgate. A garantia foi dada esta quinta-feira pela directora do FMI Christine Lagarde nas reuniões da primavera do FMI , em Washington.

Enquanto os seus jagunços estão em Portugal a exigir mais austeridade, mais destruição de emprego e da economia, nas reuniões internacionais a hipocrisia reina e defendem o contrário daquilo que impõem aos países sob o seu jugo. O FMI com duas caras, uma falsa bondosa e sorridente  e outra de gatunos e assassinos que são. Sim, porque o FMI mata gente nos países onde crava as suas garra. FMI fora daqui, já.

 

17
Abr
13

O Coelho mau

antonio jose seguro passos coelho o capuchinho rosa e o coelho mau

Primeiro-ministro escreveu uma carta a António José Seguro a solicitar uma reunião com o PS, que tenha como objectivo a “preservação do consenso nacional”. Passos Coelho avisa que não há margem para pedir à troika nova flexibilização do défice e que o calendário é apertado, pois os cortes têm de ser decididos até final do mês.

meus amigos a coisa vai apertar. É que por mais que digam nós somos a Grécia e tudo isto já foi visto. A austeridade a provocar desemprego e miséria, a economia a ser pulverizada e a solução ser a fuga para a frente. Depois do teatro do chumbo do Tribunal Constitucional, mais um acto na preparação do cenário de desculpabilização de inevitável segundo resgate que virá acompanhado de mais desgraças para todos nós. Muitos dizem que já atingimos todos os limites para a austeridade mas muitos estão enganados. Ainda estamos muito longe de estado a que os mercados nos condenaram. veja-se que na Grécia já se fala em nova ajuda e em mais milhares de funcionários públicos despedidos. Na Grécia os desempregados já não têm direito ao seu serviço nacional de saúde. São abandonados à fome e à doença. Nós ainda não chegámos lá mas para lá caminhamos.
A cada dia que passa estamos mais próximos da desgraça e a cada dia que deixarmos passar a mais, mais difícil será travá-la. É que por mais que nos digam que somos Irlandeses o que realmente somos é Gregos.

14
Abr
13

Gente sem vergonha

vitor gaspar the unfair gaspar

Os doentes e os desempregados vão ser os primeiros a sofrer pelas más contas do Governo, que previa 1300 milhões de euros em receitas inconstitucionais. Na reunião do Ecofin, o ministro das Finanças terá apresentado aos congéneres europeus uma solução que passa, em primeira instância, por cortes nos cerca de 419.360 beneficiários de subsídios de desemprego e dos 94.840 beneficiários de subsídios de doença.

Vivemos numa sociedade onde é considerado bom ser-se bem educado. Em principio concordo que não devemos andar por aí a chamar nomes aos outros, mas há momentos em que a indignação se torna tão grande, que o nojo por certas pessoas se torna tão enjoativo que ser bem educado é mandá-los à merda. É que ser-se um filho-da-puta tem limites. Fazem merda, lixam tudo, pior sabem que estão  a fazer merda, sabem que estão a lixar tudo e no fim ainda se vingam e descarregam sobre os mais fracos e os que já vivem em desespero. Estes bandalhos apresentam um orçamento carregado de inconstitucionalidades, acabam a culpar o Tribunal por chumbar essas normas e como retaliação vão bater nos mais fracos, nos que estão mais desprotegidos e com menor capacidade de retaliar, os que vivem na agonia do desemprego ou na doença. Em nenhum momento mostraram a mínima vontade de encontrar receitas ou cortar despesas com bancos, PPP’s, assessores, auditorias ou pareceres. Em nenhum momento se lembraram de olhar para onde o dinheiro não falta. Não, é com os que já vivem no limite da vida, nos que mais necessitam do apoio. É nesses que cortam. Filhos-da puta

09
Abr
13

A saga continua

vitor gaspar maos de tesoura e a arvor das patacas

Felizmente há algum tempo que me deixei de assistir a noticiários nas nossas televisões por uma questão de sanidade mental, mas hoje, nem sei porquê resolvi sentar-me em frente ao televisor e carregar no botão. Fiquei completamente horrorizado com a campanha a que assisti. Desde a chantagem dos nossos “amigos” europeus que ameaçam cortar com o dinheiro, ao arrebanhar de comentadores, uns para criticarem o Tribunal Constitucional por ter cumprido com a sua função de fazer respeitar a lei inscrita na Constituição,  outros para nos mostrarem já onde o governo vai obrigatoriamente ter de cortar, na saúde, na educação e na segurança social, com a sugestão de milhares de despedimentos na função pública. Eram 2 mil milhões aqui, mais 700 milhões acolá, mais 1500 milhões noutro lado, mais mil milhões por todo lado. Aquilo somado dava muitos milhares de milhões sem haver quem dissesse que o Tribunal Constitucional só cortou 1300 milhões. Se fizerem todos os cortes que foram anunciando vamos ser um país riquíssimo heio de gente sem um pão para comer. É que nos jornais os cortes já se transformam em mais impostos e o IRS para os funcionários públicos vai subir. É um fartar vilanagem. Mas não refilem, tenham medo porque já paira a ameaça de não haver dinheiro para pagar os salários de Abril (a próxima tranche de ajuda só estava prevista chegar em Maio), Este país entrou em loucura e a comunicação social já está a fazer a cabeça das pessoas para a inevitabilidade, para aguentarem e calarem. Ah, e afinal o tal relatório do FMI, a dizer aquilo que o governo pediu para lá vir escrito e que era só um estudo, uma achega ao debate da “refundação do estado” agora já é a Bíblia dos próximos tempos e há que começar a cumprir com os seus mandamentos.  Mais gente para o desemprego, mais cortes nos salários, nos subsídios, aumento das taxas moderadoras, das propinas, dos horários de trabalho, da idade da reforma e sei la´que mais. Ah, e para a semana troika vem de novo a Portugal entregar mais um caderninho de exigências e medidas e quem sabe um segundo resgate. Realmente não somos a Grécia mas alguém me vai ter de explicar a diferença que não seja um ano de atraso na rota da miséria.
O Bastonário da Ordem dos Médicos já veio avisar que se houver mais cortes na saúde há o perigo de começarem a morrer mais gente nos hospitais por falta de condições. A Troika mata e tudo em nome do lucro, dos mercados.

Num país onde o Mexia da EDP ganha 8500 euros por dia e onde o tal bandalho do Ulrich, veio dizer que os portugueses aguentam, a pergunta a fazer. Vamos mesmo aguentar ou vamos dizer basta? vamos ficar parados a assistir a mais esta vergonha? Vamos ficar à espera que alguém se lembre de convocar mais uma manifestação para daqui a uns meses?

03
Abr
13

Impulso jovem

miguel relvas miguel goncalves impulso jovem

Estamos safos. O desemprego jovem vai acabar de vez. Com toda a pompa e circunstancia o licenciado Miguel Relvas, acompanhado do retornado Álvaro santos Pereira apresentou a solução. Para dinamizar o famoso programa “Impulso Jovem” arranjou uma nova cara para o apresentar, um jovem que viu num vídeo do You Tube e com quem almoçou. Um jovem que vai trabalhar, como o governo gostava que todos os jovens trabalhassem, gratuitamente. Agora com o Miguel Gonçalves a vender o produto qualquer bebe que nasça já vai poder arranjar emprego, muitos deles ainda na barriga da mãe e outros até nos testículos do pai. Ainda por cima o jovem vai poder ter como modelo de homem integro, estudioso e sério como é o grande Relvas. Hoje já vou dormir muito mais descansado com o futuro dos meus filhos.

15
Mar
13

Lixo humano

vitor gaspar stinks

E agora como é? Para a Troika está tudo bem e até aceitam que o défice de 6,6% (mais 2.6% que o acordado) em 2012 e nos dão mais uma ano para atingir os 3%. Que se lixe se afinal a recessão não é de 1 mas sim de 3,2% este ano, que a divida externa atinja os 123,7%  e que o desemprego suba até aos 19%. Que se lixem os portugueses se morrerem de fome e que se lixe o país. Isto nas novas previsões do governo que normalmente já mostraram ser optimista passados dois meses com a realidade a ser bem mais terrível.
E agora como é? Este governo não muda uma virgula no rumo que escolheu e já se prepara para acrescentar mais 4 mil milhões à austeridade, despedir 20 mil funcionários públicos, aumentar impostos e baixar o próprio salário mínimo. Que se lixem as pessoas, que se lixe a Constituição, as leis e a democracia que importante mesmo são os bancos e os mercados.
E agora como é? Vamos ficar a chorar-nos nos sofá lá de casa (quem ainda tem casa), a chamar nomes aos governantes nas conversas de cafés ou vamos realmente fazer alguma coisa que possa mudar isto. Só vindo para a rua, ocupando-a, exigindo a demissão deste governo e a responsabilização de todos os que nos colocaram nesta situação, exigindo tolerância zero para a corrupção, suspendendo a dívida até ser feita uma auditoria independente que anule a sua parte suja e usurária, Exigindo mais democracia, que sejamos escutados nas decisões mais importantes e um maior controlo sobre os governantes assim como o direito a revogar o seu cargo a qualquer altura do mandato, Só quando assumirmos a responsabilidade pela condução da nossa vida e do nosso destino isto pode mudar. De que estamos á espera?

08
Mar
13

Borges, o Vampiro sabujo

Antonio borges o pior dos vampiros

António Borges defendeu  que “o ideal era que os salários descessem como aconteceu noutros países como solução imediata para resolver o problema do desemprego”. “Temos uma emergência nas mãos e a emergência é uma taxa de desemprego acima dos 17%”.

Este pulha miserável lacaio do grande capital e personagem a quem o pior ofensa não lhe faz justiça por ser muito pior que isso, continua a ganhar muitos milhares de euros para fazer ninguém sabe muito bem o quê neste governo e vem defender que quem já nem dinheiro consegue ter para alimentar a sua família devia ver os seus salários reduzidos. Este saco de estrume com pernas, como o fez o outro saco de merda de Primeiro-ministro, vêm agora justificar esta redução com os números do desemprego como se não tivessem sido eles os principais responsáveis por ele. Primeiro facilitam o despedimento e reduzem as indemnizações para, segundo eles, aumentar a competitividade das empresas e facilitar a criação de emprego. Como seria de esperar isso só criou mais desemprego e agora justificam que o seu combate se faz com redução de salários. Uma das razões que tem feito aumentar o desemprego é o menos poder de compra dos portugueses e com isso um menor consumo interno que por seu lado não atrai investimento em novos negócios, leva à falência de milhares de pequenas empresas e com isso à criação de ainda mais desemprego. Reduzindo mais os salários mais baixos da Europa o que se vai fazer é reduzir ainda mais o poder de compra, menos investimento, mais falências e mais desemprego num ciclo sem fim.
Mas este governo de miseráveis parece não gostar dos portugueses e, não sei se por revanchismo ao 25 de Abril ou simplesmente por não passarem de lacaios dos grandes interesses económicos, despreza-os e retira-lhes toda a dignidade condenando-os à miséria. Esta gente é escumalha, porcaria, nojo. Esta gente tem de ser corrida e é urgente encontrar mecanismos que garantam que nunca mais peçonhentos como estes alguma vez mais poderão chegar ao poder. Temos de criar mecanismos que nos permitam controlá-los, responsabilizá-los e em caso de necessidade correr com eles. Temos de ter tolerância zero para com a corrupção e o compadrio. Temos de ter uma justiça justa, igual para os mais pobres e os mais ricos e célere nas suas decisões. Temos que garantir que o poder e a soberania estão nas mãos dos cidadãos e não de traidores a jugo dos mercados e dos interesses do grande capital internacional. Temos de garantir a existência de uma verdadeira democracia onde gente reles como esta não terá lugar.

23
Fev
13

Desemprego

alvaro santos pereira sorriso parvo

14
Fev
13

Desalojados da fortuna

assuncao cristas passos coelho vitor gaspara e um dia a casa cai

Quando fiz este boneco era minha intenção escrever um texto sobre a nova lei das rendas e falando do último caso conhecido, daquela senhora de 79 anos que foi despejada, mesmo tendo as rendas em dia, só por não ter respondido a um inquérito e alertar para mais uma desgraça que se aproxima. No fundo, algo desnecessário, pois não é numa altura de crise e de austeridade profunda, em que o desemprego bate recordes, as pensões e salários são cortados que se criam ainda maiores dificuldades às pessoas alterando leis que lhes criem ainda maiores problemas e em nada contribuem para a resolução da dita crise. O Estado que devia ser o garante da ajuda em tempos de dificuldade, que devia procurar ser a mão que nos apoia nas dificuldades é ele próprio a calamidade que nos atinge e o carrasco da nossa desgraça. Ia falar sobre tudo isto mas já não consigo manter os olhos abertos e daqui a pouco, às 6.3o horas tenho de me levantar. Boa noite, quem desejar que escreva o que aqui falta e não foi dito.

22
Jan
13

O Vampiro Gaspar

vitor gaspar o mais terrivel dos vampiros

 

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Vêm em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

A toda a parte Chegam os vampiros
Poisam nos prédios Poisam nas calçadas
Trazem no ventre Despojos antigos
Mas nada os prende Às vidas acabadas

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

No chão do medo Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos Na noite abafada
Jazem nos fossos Vítimas dum credo
E não se esgota O sangue da manada

Se alguém se engana Com seu ar sisudo
E lhe franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Os Vampiros – Zeca afonso

 Começam a ser pagos os salários de Janeiro e começa vir ao de cima a brutalidade fiscal deste Orçamento de Estado. A uma diminuição tão drasticamente dos salários vai seguir-se mais uma redução do consumo e  a falência de muito do pequeno comércio que já vivia com a corda na garganta provocando mais desemprego e mais miséria. Uma espiral destrutiva que arruína o país, destrói empregos e empresas e conduz a economia numa espiral recessiva sem fim à vista.Para ajudar uma vez mais, com menos negócios e mais desempregados, se vai assistir a um abaixamento das receitas fiscais, a mais umas previsões erradas do Gaspar e ao regresso do discurso da inevitabilidade de um novo aumento dos impostos e do corte de direitos de todos nós. Não se corta na ajuda aos Bancos, pelo contrário gastam-se milhares de milhões para cobrir os seus erros, como os mais de mil milhões agora enterrados no BANIF, mas corta-se na saúde, na educação ou nas reformas dos que já vivem no limite da subsistência. São vampiros, são bandidos, são seres despreziveis esta gente que nos governa. Alternativas necessitam-se urgentemente, não tirar uns para pôr lá outros parecidos, mas para mudar o sistema, as politicas e a lógica que impera. Repensar o futuro, sem dogmas, sem medos, sem ideias feitas.

21
Jan
13

Pobre Portugal

vitor gaspar mendigo europeu

Hoje há reunião do Eurogrupo e Portugal deve ir pedir uma flexibilização das medidas orçamentais. Isto é ou mais tempo, ou juros mais baixos, não para aliviar os portugueses mas para permitir um regresso aos Mercados, ou seja a possibilidade de nos endividarmos ainda mais. Não faz mal que depois os portugueses pagam. É que o Exel do Ministro, por mais que ele mude as formulas e vicie os números já deve estar com mais células vermelhas que a cara do Ministro Álvaro depois do almoço.

Portugal não tem dinheiro, ou tem aquele que a Troika diz que cá vai metendo. É um facto, mas também tudo o que se produz agora é utilizado para pagar os juros desse dinheiro, à custa da miséria dos portugueses,  da destruição da economia e da delapidação do património do estado. Já de seguida é o Estado social, e as poucas empresas públicas que restam para não sobrar nada. Uma divida que dizem ser nossa, dos portugueses, mas cuja culpa é muito da própria politica da União Europeia quando decidiu destruir todo o tecido produtivo dos países do sul para beneficio dos países do norte, quando decidiu que mais importante que o endividamento era criar estradas para poder vender cá os seus produtos e apostar na especulação financeira para criar riqueza. Até por cá muitos enriqueceram com o betão e com a banca, muito foi roubado e muita corrupção grassou por este país. Gente responsabilizada não há, presa muito menos e Portugal continua a ser o país das maravilhas. Ainda agora não há dinheiro para a saúde, educação mas não faltou para enterrar mais uns milhares de milhões no BANIF, como nunca faltou nem falta para o BPN. Mas os culpados somos nós, aqueles que ganham os ordenados mais baixos da Europa e que, mesmo quando fizeram empréstimos para comprar uma casa ou um carro os pagavam com o suor do seu trabalho. Esses são os que vivem acima das suas possibilidades e não os que lhes emprestaram e depois não tinham como pagar a quem lhes tinha emprestado a eles, a banca, essa instituição onde os administradores vivem no luxo e na sumptuosidade. A culpa é de quem ganha ordenado mínimo porque ainda teima em comer ou em ficar doente.

Portugal vai voltar aos mercados, os grandes grupos económicos, a banca e o governo vão poder pedir mais dinheiro emprestado lá fora. Claro que a juros altíssimos, numa economia em recessão só podem gerar mais divida, mas não faz mal que depois nós pagamos em impostos e perda de direito. Se viermos a morrer não faz mal porque é menos uma boca para alimentar, menos um sem-abrigo nas ruas e menos uma voz para protestar.

17
Jan
13

Palhaço ou parvo?

passos coelho palhaco e estadista

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considerou hoje que o debate sobre a reforma do Estado começou bem, elogiando a conferência organizada pela advogada Sofia Galvão, mas pediu a mobilização de todos os cidadãos para futuras iniciativas.
De realçar que os jornalistas não foram autorizados a fazer registos de imagem nem de som e foi comunicado que o seu conteúdo poderia ser reproduzido, mas sem citações que não fossem autorizadas pelos intervenientes. No entanto, uma colaboradora da organização disse aos jornalistas que lhes poderia ser posteriormente enviado um “clip” com alguns excertos dos painéis de debate produzido pelo Portal do Governo, que filmou a conferência.

Começou realmente bem o debate sob a reforma do Estado com os cidadãos a não poderem saber o que foi dito e quem o disse. Mobilizem-se os cidadãos para futuras iniciativas que nesta é tudo em segredo. Em segredo não, que há depois o clip filmado e recortado pelo Governo para propaganda nas televisões. Primeiro encomendam um relatório ao FMI que já se sabe não ter passado de um repositório das ideias que o governo pediu para lá serem colocadas, agora vem a OCDE e não se pode saber o que foi dito e ainda pede a mobilização dos cidadãos. Um palhaço que tanto coloca o nariz vermelho como se arma em parvo. Não sei em que papel fica melhor porque em ambos encaixa na perfeição.
O que está a ser discutido é algo de muito sério e que pode colocar em causa todo o estado social, desde o SNS, à Escola Pública ou aos sistema de pensões e segurança social. Também o emprego deverá sofrer um autentico massacre e já se fala em números da ordem das muitas dezenas de milhares de funcionários públicos a ir para a rua. Para este governo a miséria nunca é suficiente e gostam sempre de arranjar maneira de criar mais e mais. Isto é gente com uma agenda liberal, que nem entendeu bem o livro onde a aprendeu e que a quer aplicar a todo o custo, mesmo não tendo mandato dos portugueses para o fazer. Não tivéssemos um Presidente da Republica da qualidade que temos e não haveria problema porque punha logo um travão nisto demitindo-o já. Assim não podemos contar com ele. Há a oposição, mas em minoria na Assembleia e com o PS com um pé dentro e outro fora acabarão a fazer lindos discursos enquanto vêm a banda passar. Já dei a ideia de abandonarem a Assembleia da Republica mas não acredito que resolvam afrontar o sistema. Restamos nós, cidadãos para fazermos alguma coisa, mas para isso é necessário tirar o rabo do sofá, assumir responsabilidades e ir para a rua dizer não e ficar lá até que isto pare. Se acredito que vai acontecer é outra coisa, mas sei que um dia terá de acontecer. Se vai a tempo ou não para travar isso já não sei. Resta-me só a esperança que este povo acorde deste longo sono.

14
Jan
13

Poder absoluto o raio que os parta

passos coelho rainha de xadrez

Este bandalho do Passos Coelho considera que por ter ganho as eleições, à boleia do desespero e do descrédito ao Sócrates, com mentiras, aldrabices e outras trapalhices,  agora tem o direito de fazer o que quer, destruir o estado social, os portugueses, o emprego, a economia e tudo o que lhe vier à real gana. Num país com um Presidente que não fosse um badameco há muito que teria sido demitido e travada a desgraça a que está conduzir o pais. Esta é a democracia em que nos querem fazer acreditar e em que dizem que temos de viver, mas na realidade não é. É possível ser diferente, é possível responsabilizar quem governa, controlar o que fazem e obrigar a que cumpram com o que prometem. Para isso é necessário reformar esta Democracia e implementar uma mais directa e participativa em que a palavra dos cidadãos seja ouvida e cumprida. Esta é a grande revolução a fazer e é esta que temos de exigir nas ruas, nos locais de trabalho, em todo o lado. Queremos ser ouvidos nas decisões, queremos debater os problemas e propor soluções. Recusamos uma falsa democracia de alterne e de mentira. Já basta de aldrabões e mentirosos a ocupar a governação. Rua com a escumalha.




Indignados Lisboa
Junho 2021
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Blog Stats

  • 720.934 hits


%d bloggers like this: