Archive for the 'segurança socia' Category

13
Set
13

Até os demónios andam indignados

manuela ferreira leite send him to hell

 

Manuela Ferreira Leite considerou que a lei que estabelece a convergência de pensões entre o sector público e o sector privado, reduzindo em 10% as pensões de valor superior a 600 euros, é “imoral”. Na política é necessário existirem “princípios e valores” que “têm estar presentes nas decisões”. “Este é um caso dramático e gritante e algo que não pode ser feito numa sociedade e que a sociedade não pode aceitar.”
A antiga ministra de Cavaco Silva considerou ainda uma “brincadeira de mau gosto” que esta medida seja apresentada pelo Governo como temporária enquanto o país estiver em crise porque os objectivos do Governo não serão atingidos. “O único objectivo disto é transmitir ao Tribunal Constitucional que esta é uma medida temporária e não definitiva. “Não sei quem acredita nisto”, acrescenta.


É claro que a velha tem razão no que diz embora a moral de quem fez o que fez quando Ministra, de quem falou em suspender a democracia e quem defendeu que aos idosos com mais de 70 anos se deveriam cortar os tratamentos, nomeadamente a hemodiálise, porque não valia a pena gastar o dinheiro, não seja a melhor para abrir a boca. Aliás é engraçado que tanto ela como o seu amigalhaço Sr. Silva, que se queixava de não ter dinheiro para as suas despesas, só abram a boca para protestar quando estão em causa  pensões em que eles são atingidos. O governo faz trapalhices todos os dias, mente, engana, lixa a vida a milhões e não se houve nenhuma critica, tocam-lhe nas reformas e saltam como gatos assanhados. coincidências. Mas, melhor mesmo que andar a dizer estas coisas seria ir visitar o seu padrinho ali em Belém e aconselhá-loa demitir já este governo. É que o que por ai vem é só mais desgraça, mais fome e mais miséria. É que como ela diz a sociedade não pode aceitar este corte nas pensões e digo eu que também todos os outros roubos a que está a ser sujeita pelo que ou o Presidente os tira a bem ou isto ainda acaba mal e alguém ainda acaba defenestrado. 

Anúncios
04
Set
13

Mais uma só porque sim

pedro mota soares contorcionista pintura

Encontrei esta pintura na net e soube logo que tinha de fazer um boneco com ela e até quem seria o personagem retratado. Mais uma vez sem conscientemente ter uma razão definitiva  do porquê, mas a pintura andava aqui na minha área de trabalho do programa de edição de imagem e ia-me aparecendo frequentemente  pela frente, Estava a pedir para ser feita e que seja feita a sua vontade.

10
Ago
13

O Gajo da lambreta

 

 

pedro mota soares lambreta pensoes

 

Não percebo nada disto de governos, mas que me lembre temos um Ministro da Segurança Social, o gajo que chegou de lambreta e agora anda de Audi de luxo, e uma Ministra das Finanças, uma tal de Miss Swaps que veio substituir o sonolento e incompetente do Exel. Extraordinariamente o Lambretas passa entre as gostas de água sem se molhar como se não tivesse nada a ver com o uso dos dinheiros da Segurança Social para comprar dívida pública, o aumento na idade da reforma, os cortes nas reformas, a isenção desses cortes para os políticos, para não falar nas redução do subsidio de desemprego, etc, etc. A culpa é sempre das Finanças, as finanças é que mandam e ele só anda por lá. A fazer o quê ninguém consegue entender. Visitar lares da terceira idade e distribuir beijinhos? Fazer caridadezinha? Oh homem, monta-te na tua lambreta e vai para casa que sempre se poupa qualquer coisa. 

 

06
Ago
13

Governo Parte II – Pedro Mota Soares

pedro mota soares governo parte 2

 

O governo pretende recorrer ao Fundo de Estabilização da Segurança Social (que garante o pagamento de pensões), investindo-o na compra de dívida pública e assim diminuindo para metade as necessidades de financiamento do Estado em 2014.
O Jornal de Negócios dá conta que em Maio de 2011 o atual primeiro-ministro Passos Coelho, criticou ferozmente o governo do Partido Socialista, então liderado por José Sócrates, por colocar em risco os depósitos e as reformas dos portugueses, ao pedir à Segurança Social e aos bancos para comprarem dívida pública nos leilões das novas emissões.
Recorde-se que um dos últimos atos de Vítor Gaspar foi assinar um despacho que permite ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social que serve de almofada para o pagamento futuro das pensões, incrementar o investimento em dívida soberana portuguesa para 90% da carteira.
Não vai faltar muito para se saber que há um buraco na Segurança Social, que falta dinheiro e que para garantir a sua sustentabilidade é necessário mais cortes nas pensões e nos direitos de quem descontou toda uma vida para garantir aos outros e a si um final de vida com dignidade e segurança.

 

20
Jun
13

O Estado Social-cavaquista

Cavaco Silva criticou o que disse ter sido uma «cultura de proteccionismocavaco silva passos coelho paulo portas chepeleiro louco

social» fomentada pelo Estado na segunda metade do século XX. «O perímetro de intervenção do Estado alargou-se, chamando a si um leque cada vez mais diversificado de funções, nomeadamente as sociais, que acabaram por suplantar as tradicionais funções de soberania (…)
Na opinião do chefe de Estado, é preciso «promover uma integração virtuosa dos dois modelos, o do Estado de bem-estar e o da economia social»: «O problema não consiste em optar por um ou outro caminho, mas tão só no desafio que a realidade nos coloca de que, juntos e coesos, poderemos fazer melhor»

Nada tenho contra a solidariedade e a ajuda feita por cidadãos desinteressados a quem mais necessita. Antes pelo contrário, vejo-o como mais um acto de cidadania. Mas, isso não deve e não pode ser visto como uma forma de desresponsabilizar o Estado das suas funções. Eu não paga impostos a esses cidadãos nem aos grupos em que se associam, mas pago-os ao Estado para fazer esse serviço. Quando atacam os serviços do Estado, cortam na sua qualidade e aumentam os impostos só mostram que nos estão a roubar. Não há razão para um privado prestar o mesmo serviço mais barato. Se o estado está mal gerido, mudem e passem a gerir bem o nosso dinheiro e não o ofereçam a gente que se baba por aqueles serviços que o estado dizem ser insustentáveis. Eles até podem ser amigos dos senhores do governo, até podem oferecer umas prendas boas no natal, mas o dinheiro é nosso. O Estado que cumpra com as suas funções e que ajude quem necessita de ajuda. Melhor, arranje soluções para quem necessita de ajuda deixe de necessitar dela. Isso sim seria ajudar o Estado social e governar decentemente.

09
Abr
13

A saga continua

vitor gaspar maos de tesoura e a arvor das patacas

Felizmente há algum tempo que me deixei de assistir a noticiários nas nossas televisões por uma questão de sanidade mental, mas hoje, nem sei porquê resolvi sentar-me em frente ao televisor e carregar no botão. Fiquei completamente horrorizado com a campanha a que assisti. Desde a chantagem dos nossos “amigos” europeus que ameaçam cortar com o dinheiro, ao arrebanhar de comentadores, uns para criticarem o Tribunal Constitucional por ter cumprido com a sua função de fazer respeitar a lei inscrita na Constituição,  outros para nos mostrarem já onde o governo vai obrigatoriamente ter de cortar, na saúde, na educação e na segurança social, com a sugestão de milhares de despedimentos na função pública. Eram 2 mil milhões aqui, mais 700 milhões acolá, mais 1500 milhões noutro lado, mais mil milhões por todo lado. Aquilo somado dava muitos milhares de milhões sem haver quem dissesse que o Tribunal Constitucional só cortou 1300 milhões. Se fizerem todos os cortes que foram anunciando vamos ser um país riquíssimo heio de gente sem um pão para comer. É que nos jornais os cortes já se transformam em mais impostos e o IRS para os funcionários públicos vai subir. É um fartar vilanagem. Mas não refilem, tenham medo porque já paira a ameaça de não haver dinheiro para pagar os salários de Abril (a próxima tranche de ajuda só estava prevista chegar em Maio), Este país entrou em loucura e a comunicação social já está a fazer a cabeça das pessoas para a inevitabilidade, para aguentarem e calarem. Ah, e afinal o tal relatório do FMI, a dizer aquilo que o governo pediu para lá vir escrito e que era só um estudo, uma achega ao debate da “refundação do estado” agora já é a Bíblia dos próximos tempos e há que começar a cumprir com os seus mandamentos.  Mais gente para o desemprego, mais cortes nos salários, nos subsídios, aumento das taxas moderadoras, das propinas, dos horários de trabalho, da idade da reforma e sei la´que mais. Ah, e para a semana troika vem de novo a Portugal entregar mais um caderninho de exigências e medidas e quem sabe um segundo resgate. Realmente não somos a Grécia mas alguém me vai ter de explicar a diferença que não seja um ano de atraso na rota da miséria.
O Bastonário da Ordem dos Médicos já veio avisar que se houver mais cortes na saúde há o perigo de começarem a morrer mais gente nos hospitais por falta de condições. A Troika mata e tudo em nome do lucro, dos mercados.

Num país onde o Mexia da EDP ganha 8500 euros por dia e onde o tal bandalho do Ulrich, veio dizer que os portugueses aguentam, a pergunta a fazer. Vamos mesmo aguentar ou vamos dizer basta? vamos ficar parados a assistir a mais esta vergonha? Vamos ficar à espera que alguém se lembre de convocar mais uma manifestação para daqui a uns meses?

23
Nov
12

A relatividade do tempo

 

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, admitiu hoje que há “situações pontuais” em que ocorrem atrasos nos pagamentos de prestações sociais, casos dos subsídios de desemprego, de doença ou de parentalidade.

Ainda outro dia aqui referi que o tempo é relativo e o que representa para uns não é o mesmo que para outros. Se alguém se atrasa um minuto a pagar um imposto já está a receber cartas do fisco e a pagar juros, mas quando é o Estado que se atrasa não há problema. Basta ver que neste caso o atraso não cria problemas a ninguém, afinal um desempregado não necessita de comer se não trabalha, um doente está de cama e pode dormir todo o dia e isso da parentalidade só é culpa da luxuria do beneficiário. Primeiro cortaram benefícios, depois reduziram o seu valor e está a chega a hora de deixar de os pagar de todo. Há anos que esta cambada anda a descapitalizar a segurança social, a jogar, e a perder, o dinheiro que todos nós descontamos dos nossos salários na roleta da bolsa, para a tornar inviável. Os grandes grupos privados da banca, seguros e saúde, há anos que se babam por este grande negócio. Estes estão lá para lhes encher o bucho e matar de vez com o Estado social.




Indignados Lisboa
Setembro 2019
S T Q Q S S D
« Jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Blog Stats

  • 712.977 hits

Anúncios

%d bloggers like this: