Posts Tagged ‘António Saraiva

25
Set
12

Concertação social ou treta nacional?

Sindicato que é sindicato há muito que devia ter cortado de vez com este Conselho de Concertação Social há muito tempo. Aquilo não passa de um local para fingir que se discutem   tentam conciliar as aspirações dos trabalhadores e dos patrões. Cedo se entendeu que afinal aquilo não passa de um antro onde o governo e os patrões, com a cumplicidade da UGT vão acabando com todos os direitos conquistados ao longo de muitos anos. A CGTP, mesmo acabando sempre por não assinar os acordos não a abandona porque tanto patrões como sindicatos são pagos para fazer aquele espectáculo. No fim o que fica é sempre a assinatura do governo, dos patrões e da UGT a legitimar os roubos e as malfeitorias que de lá saem.

 

20
Jan
12

Acordo Laboral

A UGT assinou o Acordo Laboral que negociou com o governo e os patrões, esquecendo todos os que devia representar. Sempre foi uma Central Sindical que serviu bem os governos, que foi assinando todos os acordos para que eles pudessem assinar acordos e fazer o foguetório, como acabou por fazer de novo. Só que desta vez a coisa é mais grave porque legaliza o despedimento sem justa causa, bastando para isso a vontade do patrão, coloca os horários da nossa vida nas suas mãos e transforma a UGT em lixo laboral. A ar acanhado com que o João Proença surge aos microfones tentando justificar-se com as exigências da Troika (enquanto o Passos Coelho se gabava de a ter suplantado) e reagindo com ar zangado e carrancudo a qualquer pergunta dos jornalistas, mostram-no bem. Não é para isto que serve uma Central Sindical nem é por masoquismo que os trabalhadores pagam a sua quota sindical. Correr com esta gente é necessário pois são uma vergonha para o sindicalismo.

20
Out
11

Um mata, outro esfola e outro aplaude

Cavaco Silva respondeu às questões dos jornalistas sobre como via a eliminação dos subsídios de férias e Natal, nos próximos dois anos, para funcionários públicos e pensionistas, dizendo: “Mudou o Governo mas eu não mudei de opinião.”

Para Cavaco Silva, esta medida é uma “violação de um princípio básico de equidade fiscal”, ou seja, a mesma opinião que o Presidente exprimiu quando o anterior Governo socialista decidiu cortar os vencimentos da função pública entre 3,5% e 10%, este ano.

18
Ago
11

Quem poupa um tostão pode chegar ao milhão

Miguel Relvas afirma que “é preciso poupar mais” numa reação à diminuição de 0,9% do PIB português.Este Miguel Relvas é um brincalhão. Temos de poupar. Só se está a aconselhar os que têm ficado isentos dos sacrificios, os mais ricos porque no governo não se vê grande poupança e aos portugueses o dinheiro já nem chega ao fim do mês.
Este governo escolheu que a economia pode ruir, que o país possa cair na maior depressão e miséria, o que não pode ser beliscado são os mercados. Caio o PIB, aumentam-se mais uns impostos para repòr o défice o que faz cair ainda mais o PIB e subirem os impostos até que um dia já não haja PIB nem salários onde cobrar impostos.
22
Maio
11

Mais trabalho e menos direitos

Os patrões da indústria querem aumentar o número de horas de trabalho. O objectivo, defende, “É preciso reduzir o custo unitário do trabalho, e isso pode ser feito com a redução da taxa social única e o aumento das horas de trabalho, ou um mix de ambos”, defendeu ontem António Saraiva. “Porque não voltar às 42 horas semanais?”, questionou o presidente da CIP na apresentação das propostas para o programa do novo Governo. Mas os sacrifícios que os patrões pretendem pedir aos trabalhadores não se ficam por aqui. As propostas da CIP para o próximo Governo incluem mexer na Constituição para alterar o enquadramento que garante a segurança do emprego e proíbe os despedimentos sem justa causa. Os patrões querem ainda ver alterada “a forma irrestrita como se encontra garantido o direito à greve”, bem como a legislação que estabelece o direito de controlo de gestão pelas comissões de trabalhadores. Tudo em nome, claro, da necessária “adopção de um enquadramento favorável a uma gestão racional e dinâmica das empresas”.

E o cuzinho lavado com água de malvas, não querem? Porque não propõem também o uso do chicote como instrumento de gestão

25
Jan
11

Dia do Carteiro

A ministra do Trabalho, Helena André, propôs aos parceiros sociais que as indemnizações pagas aos trabalhadores em caso de despedimento passe 1 mês de salário por cada ano de trabalho e passem a ser somente de 20 dias, com um máximo de 12 meses.

A Ministra veio propor aquilo que os patrões vieram a público propor na semana passada. Como sempre a CGTP já veio dizer que não aceita e a UGT que é uma proposta que merece análise. O patrão pede, o governo dá. A CGTP desce mais uma vez a Avenida e a UGT dá o amém e a extrema unção. Uma vez mais, e como sempre acontece, o governo vira as costas a quem trabalha e alia-se ao capital. Será que alguma vez viremos a ver este governo a propor alguma coisa que seja em beneficio dos trabalhadores?

Fiz este boneco por hoje ser “Dia do Carteiro”, profissão a quem agradeço trazerem-me o correio, quer chova ou faça sol. (Pena é que a grande maioria das cartas que recebo sejam contas para pagar).

23
Dez
10

Vergonha máxima em salário mínimo

A Ministra, Helena André afirmou que da reunião de concertação social resultou o objetivo de atingir os 500 euros de salário mínimo, conforme previsto no acordo de 2006 (esqueceu que estava acordado que o valor seria pago  logo a partir de Janeiro).
A subida será faseada  em 2011 ( 10 euros em Janeiro, depois mais dois aumentos em Junho e Outubro), foi bem recebida pela UGT (que fala numa conquista da greve geral), e contou com a “compreensão” da CIP (que foi quem o exigiu o faseamento) , enquanto a CGTP garantiu que “não dará cobertura a um simulacro de discussão” (deverá fazer uma manifestação lá para os fins de Março).
O Presidente da CIP, António Saraiva, entrou para a reunião afirmando que o salário mínimo já não era tão mínimo como isso. Só lhe digo que o gostava de ver viver com esse dinheiro. Afirmar que 500 euros é muito dinheiro para sustentar uma familia não é gente de bem e considerar que as empresas não conseguiam suportar um aumento de 25 euros uma vergonha para os nossos empresários.
Da ministra pouco ou nada mais há a acrescentar a não ser que já aprendeu com o Engenheiro da independente a dar a volta à verdade para fingir que não faltou a mais uma promessa feita.
Os sindicatos portaram-se uma vez como sempre têm feito, com a UGT a fazer a vontade ao patronato enquanto a CGTP voltou a fazer, como sempre, o papel do sindicato que diz não mas sem iniciar uma luta que o possa impedir.

11
Dez
10

Um casamento de conveniência…para eles

O Sócrates veio informar que a sua solução para tornar o despedimento mais barato para as empresas passa por uma redução dos valores das indemnizações a pagar pelas empresas, mas também pela criação de um fundo público para financiar os despedimentos.
Depois de, ainda recentemente, para poupar dinheiro ter reduzido o tempo e o valor do subsídio de desemprego para as centenas de milhares de portugueses, vem agora gastar esse dinheiro para facilitar a criação de mais desemprego. Neste casamento por conveniência com os “patrões”uma vez mais seremos nós a pagar a desgraça que nos impõem. Nós pagamos tudo, as aldrabices do BPP e do BPN, as mordomias dos nossos políticos, os prémios vergonhosos dos grandes gestores e agora até os despedimentos. Vamos uma vez mais dar o nosso dinheiro a quem afirma não ser possivel aumentar o ordenado mínimo para 500 euros, (80 centimos por dia). Vamos uma vez mais pagar para ver os lucros e os prémios  das grandes empresas aumentarem, para vermos o dinheiro “fugir” para as off-shores sem pagar impostos, para vermos ex-governantes e os seus “boys” nos conselhos de administração de empresas a quem ofereceram lucros de milhões. Vamos pagar por mais submarinos e blindados para guerras que só servem os interesses dos grandes senhores do mundo.
Um governo devia servir para trabalhar para o bem dos cidadãos de um país e não somente para servir os interesses de alguns patrões que só pensam na ganância do lucro sem olhar a meios. Mas isto é o que temos e, se  nada fizermos, é aquilo que vamos continuar a ter.

28
Set
10

Abutres

Apesar do governo se ter comprometido a subir para os 500 euros o salário mínimo até 2011, António Saraiva, presidente da Confederação Industrial Portuguesa (CIP), garante que o salário mínimo nacional não vai subir para os 500 euros em Janeiro do próximo ano. “Não há condições”, afirmou.

Uma empresa que não tenha a acpacidade de aumentar um seu empregado em 25 euros o melhor mesmo é fechar as portas. Não são as pequenas empresas que se sentem ameaçadas por este aumento, mas sim os “Belmiros” e outros vampiros do mesmo género. Afinal são eles os principais empregadores de trabalho precário e de salários de miséria. Abutres que se alimentam da miséria e da pobreza.

23
Jun
10

CEP – Confederação Empresarial de Portugal




Indignados Lisboa
Abril 2021
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Blog Stats

  • 720.510 hits


<span>%d</span> bloggers like this: