Arquivo de Junho, 2012

30
Jun
12

Uma história que parece não ter fim


Falar do BPN é falar do maior roubo da história deste país e também do processo em que a impunidade dos culpados parece ser a regra. Nascido na era das vacas gordas do Cavaquismo e apadrinhado por ele foi durante anos um antro de malfeitores que saltavam entre o governo e o banco. Durante anos foi um fartar vilanagem sob o nariz do Magoo Constâncio do Banco de Portugal que nada via ou queria ver. Não fosse a famosa crise internacional e quem sabe ainda os Oliveira e Costa, Duarte Lima e Dias Loureiro continuariam a encher contas em off-shores e a comprar condomínios de luxo em Cabo Verde. Como se não bastasse veio a nacionalização dos prejuízos, pelo Teixeira dos Bancos, que já defraudou o país em muitos milhares de milhões de euros. (Dava para pagar os subsídios de férias e Natal que este governo nos roubou durante três anos). Quando parecia que esta roubalheira já tinha chegado ao fim chegou a vez da reprivatização em que o actual governo resolveu vender o banco ao BIC do Mira Amaral a preço de saldo por quarenta milhões de euros, não sem antes ter retirado centenas de milhares de créditos mal parados para empresas do estado, (créditos de Duarte Lima e Vítor Baía são alguns exemplos) e recapitalizado o banco em mais algumas centenas de milhares de euros. Um negócio da China…para o Mira Amaral. Talvez, embora duvide, tenha terminado aqui as negociatas e a roubalheira com este banco, mas ainda faltava mais uma manobra para poupar impostas. Afinal não é o BIC que vai incorporar o BPN, vai ser o BPN a incorporar o BIC, mudando depois o nome para BIC para assim pagar menos impostos nos próximos anos. Para alguns todos os truques são lícitos e o Estado olha para o lado, para o pobre do cidadão que aperta o cinto para pagar os impostos que este governo não se cansa de aumentar, o não pagamento de um bilhete do metro ou de uma portagem é suficiente para soltarem os cães e penhorarem qualquer bem que se tenha. Se há uma justiça para ricos e outra para pobres também no fisco parece haver uns que podem tudo e outros que só podem pagar e calar.

PS: NOVIDADE DO DIA – Dois dos condenados pelo Banco de Portugal por prestação de informação falsa e falsificação de contas no caso BPN, trabalham como diretores para um fundo do Estado. [AQUI]

30
Jun
12

900 anos de história

O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, considerou hoje que Portugal precisa de espírito empreendedor para dar a volta à crise e retomar o caminho do crescimento, mostrando-se confiante no futuro do país. “Precisamos de empreendedores para puxar o país para a frente”. “Ninguém pode ter a mínima dúvida que Portugal vai dar a volta a esta crise”, disse Santos Pereira, lembrando que nos quase 900 anos de história os portugueses sempre souberam reagir às dificuldades e reerguerem-se.

Pela primeira vez concordo com o Álvaro quando diz que em 900 anos de história Portugal sempre conseguiu reerguer-se mesmo quando a sua Independência lhe foi retirada. O que talvez devesse preocupar o Álvaro e os seus amigos do governo é que muitas vezes o fez correndo com os vendidos e os traidores pelas portas ou atirando-os pela janela fora. E janelas não faltam por aí.

29
Jun
12

Mais um Porquinho para o matadouro

Depois da Irlanda, Grécia, Portugal, Chipre e Espanha a Eslovénia poderá ser obrigada a pedir ajuda internacional.

A história repete-se e parece não ter fim. Também a Itália está na mira dos mercados e já se fala de problemas graves na Bélgica, França e até na Holanda.
Será que andaram todos a gastar acima das suas possibilidades? Será que não há aqui algo que escapa à responsabilidade dos povos desses países e tem mais de sistémico? Será que tudo isto não é uma forma de especuladores poderem ganhar dinheiro fácil e adquirir a preço de saldos as boas empresas desses países enquanto transformam soberanias em meros executores das politicas neo-liberais e os seus trabalhadores em
mão de obra barata e sem direitos? Não há responsáveis com nome e cara?

29
Jun
12

Mentes brilhantes

 

Investigadores estão a desenvolver um aparelho com o objectivo de descodificarem o cérebro de Stephen Hawking, um dos melhores cientistas da actualidade, que perdeu a capacidade da fala devido a uma doença motora de que padece há vários anos.

Como seria se utilizassem esse aparelho no Passos Coelho? Certamente uma vergonha.

28
Jun
12

Um monstro em Paris

Angela Merkel encontra-se em Paris com Francois Hollande para decidirem o que a próxima cimeira da União Europeia vai ser decidido. Coisas de uma Europa Democrática.

28
Jun
12

Uma crise “Dali” mas também daqui

A agência de notação financeira Moody’s e vinte e oito entidades financeiras do país vizinho sofreram cortes de rating de entre um a quatro níveis, num “golpe” que deixou 21 bancos sob a classificação de “lixo”. A “razia” aconteceu no mesmo dia em que o Governo espanhol formalizou o pedido de ajuda à União Europeia para recapitalizar o sector bancário.

Com o pedido de ajuda da Espanha e também do Chipre só falta a Itália para se fazer o pleno dos países do Sul da Europa. Não deve faltar muito e já outros se colocam na calha. França, Bélgica, Holanda…e outros se seguirão. Porque, contrariamente ao que nos tem sido dito nada disto é uma crise de alguns países que se portaram mal, mas sim uma consequência do ajustamento do próprio sistema capitalista às novas formas de especulação e lucro fácil que a globalização mercantil produziu. Um sistema em que se ganha mais em especular em desequilíbrios da produção que em apostar no sistema produtivo dando todo o poder aos mercados para imporem as suas regras e “governarem” o mundo, é um sistema que será sempre injusto, violento e sempre mais preocupado com o lucro que com as pessoas. Não somos por isso vitimas de uma crise, mas de um sistema que se alimenta de uma suposta crise que eles próprios fomentaram.

27
Jun
12

A bomba da austeridade

Mais medidas de austeridade? “Se for necessário”. Renegociar e reestruturar a dívida? “Não e não”. As respostas do primeiro-ministro, Passos Coelho,
O ministro das Finanças afirmou que o Governo não está “neste momento” a contemplar mais medidas de austeridade, mas poderá recorrer a medidas adicionais “que se revelem necessárias”.

Com o descalabro da execução orçamental e a recusa do governo em pedir à Troika que alivie o garrote não é muito difícil imaginar que brevemente a bomba relógio que o governo colocou sobre os nossos pés rebente e sejamos atingidos por mais medidas de austeridade. Descansados podem ficar os que lucram com as PPP, com as privatizações, os amigos e os que se alimentam das gorduras do Estado pois esses estão bem protegidos contra esse mal.




%d bloggers like this: